Ciclo Natalino começa domingo no Museu do Folclore
27/11/2012
O presépio do Museu do Folclore, da Fundação Cultural Cassiano Ricardo (FCCR), que marca o início do Ciclo Natalino, será aberto neste domingo (2 de dezembro), às 14h, no Parque da Cidade (Avenida Olivo Gomes, 100, Parque da Cidade), em Santana. O evento terá a participação da Folia de Reis Estrela Guia, Vila São Geraldo e Cia. Irmandade Santos Reis. A manifestação é aberta ao público e ocorrerá na área externa do Museu do Folclore. 

Este ano, o presépio está sendo montado pelo casal Armando Cândido de Lima (74 anos) e Maria do Carmo de Lima (64). Eles moram no bairro Monte Castelo, região central da cidade, e vieram para São José dos Campos há 46 anos, mesmo tempo que estão casados. Têm três filhos e três netos. Esta é a primeira vez que eles montam o presépio do Museu do Folclore. 

“Para nós, está sendo um prazer montar o presépio aqui no Parque da Cidade, pois fazemos isto por devoção e também por tradição”, diz Seu Armando. Ele afirmou que o ‘desafio’ é diferente, mas não em razão do tamanho, pois o presépio que montam em casa ocupa toda a varanda. “Já estamos acostumados, todo ano montamos um presépio grande e que acaba se estendendo por outros cômodos da casa”, explica Dona Carminha.

Hoje o presépio do casal já é conhecido pela vizinhança e se tornou uma tradição no bairro. Ela contou que aprendeu a montar presépios com o avô e o pai na roça, onde moravam, mas foi após o casamento que veio o estímulo para presépios maiores. “Ele (Seu Armando) me deu uma árvore de Natal quando casamos e isso me estimulou a termos um belo presépio em casa”.

“Por causa do presépio, já recebemos a visita de Folias de Reis, encerramento de novena e reza do terço”, explica Seu Armando. Ele lembra que, por conta disso, influenciaram muitas outras famílias a montar presépios em suas casas. “Depois que o presépio está montado, sempre tem gente querendo ver, pois fica muito bonito. Eu espero que também gostem do que estamos fazendo aqui no Museu do Folclore”. 

A experiência de Dona Carminha como modelista contribui para as ideias na hora de montar o presépio. “Ela planeja e eu executo”, explica Seu Armando, industriário aposentado. Para o presépio no Parque da Cidade todo o material utilizado está sendo fornecido pelo Museu do Folclore. 

Mais notícias
Fundação Cultural Cassiano Ricardo